03/02/2012

5 coisas para se fazer em um psicólogo


 Olá, jovem camundongo que lê este mundialmente desconhecido blog de textos cujo autor pensa que são engraçados. Como vai? Espero que esteja bem, porque ninguém visita esse blog - portanto, não estou falando com ninguém, o que é muito esquizofrênico. Nunca faço apresentações ou introduções nos meus posts, portanto acho válido fazer aqui, não sei por quê, apenas acho.

 É perfeitamente compreensível a necessidade de certas pessoas acharem que precisam de ajuda profissional e psicológica, seja por quê eles perderam o emprego após terem entupido a privada do banheiro do chefe - porque o toalete para os funcionários estava sendo lavado - e não sabiam que iriam despejar bolas fecais tão densas ao realizar o ato defecatório que não conseguiram ser engolidas pelo cano; ou porque estavam entrando em depressão após terem sido traídas pelo namorado. E digo namorado, porque homem não vai ao psicólogo. Ele simplesmente resolve seus problemas bebendo. E mulheres que vão ao psicólogo, não têm amigas. Ou têm e não conseguem resolver os problemas com o marido. Enfim... com essas difíceis situações emocionais ou mentais, essas pessoas se encaminharem à uma clínica psicológica.

 Porém se você quer ir ao psicólogo e não sabe o que falar, como se comportar e como se expressar - ou se você não quer ir e foi obrigado por seus pais porque pensam que você tem algum distúrbio mental apenas por ter "depilado" o cabelo com gilete - apresento-lhes abaixo um guia completo (acompanhado por uma linha do tempo) do que dizer para seu psicólogo. Principalmente se você está cansado de ir para o psicólogo, ou quer ir somente porque para matar a sua alma de tanto rir por dentro ao dizer as mentiras para ele.

1# Amigo Imaginário

 Assim que você adentrar o estabelecimento da clínica psiquiátrica, é perfeitamente aconselhável e adequado que você aparente possuir todos os problemas já descobertos pela medicina moderna e psicológica, entre tiques, andar estranho, olhar arregalado e torto, pouco de esquizofrenia... Enfim, tudo o que possa entrar nos quadros de problemas mentais, físicos, sociais, químicos (foi uma piada)...

O que fazer: ao entrar na sala do psicólogo, peça um lugar a mais para seu amigo imaginário sentar. Se inspire no desenho animado A Mansão Foster para Amigos Imaginários e dê um nome e forma a ele (por exemplo, um picolé capoeirista de abacaxi ao vinho que se chama Amalêo).

 Ocasionalmente fale sozinho e diga que está conversando com seu amigo imaginário. Se o psicólogo perguntar o motivo de você ter um amigo imaginário seja hostil, aponte o dedo na cara dele e diga "A minha vida íntima não é de seu interesse!". A toda pergunta que ele fizer responda "Bom, isso é uma questão que nós três devemos discutir. O que você acha, Amalêo?"

2# Depressão

 Esse terrível estado psicológico pode ser muitas vezes ser tratado como uma doença psíquica do sujeito. Uma das maiores causas das pessoas consultarem psicólogos é a depressão. De fato, é o primeira e maior fator para elas consultarem um. E o segundo são as pessoas que pensam que estão em depressão só porque papai e mamãe desistiram de pagar a faculdade.

 O que fazer: Naturalmente o psicólogo vai te perguntar os motivos para você estar o consultando. Você tem opções. Diga que entrou em depressão depois que tentou comer a cadela da vizinha e ela mordeu seus testículos. Ou foi pego se masturbando assistindo um episódio de iCarly. Ou de Lazy Town. Os contextos são variáveis. E que por longas noites você caminhava de madrugada pela rua escutando Black Metal.

conte mais (ñ q eu me importe com vc to ganhando por hora msm rs)

3# Dupla Personalidade

 Essa tão trágica condição mental do indivíduo pode ser uma das suas principais armas para avacalhar a sua consulta com o profissional - que está do outro lado da sala provavelmente concluindo que você é um maníaco-sociopata-satânico após a prática dos dois primeiros itens. Fingir ter dupla personalidade lhe requer uma atuação especial de Jim Carrey como em seu filme "Eu, Eu Mesmo & Irene". Por isso, use deste artifício com cautela, caso contrário, o psicólogo poderá facilmente perceber que tudo não passa de encenação... e se ele descobrir que você está fingindo, não se importe, o importante é sair de lá relembrando tudo o que você fez e começar a rir sozinho quando você estiver voltando pra casa no ônibus.

 O que fazer: Conforme o psicólogo vá te perguntando coisas, responda a sua opinião ou o que você acha. Chacoalhe a cabeça simulando a mudança de sua personalidade e responda a mesma pergunta novamente com outra opinião, totalmente contrária. Escolher características de sua falsa segunda personalidade são opcionais (por exemplo: seu segundo "eu" pode ser agressivo, sociopata, com problemas mentais, etc).

 Mais tarde, dê a entender que você tem dupla personalidade. Feito isso, xingue o psicologo e diga que foi ele. Dê um tapa em si mesmo e diga que não foi você. Comece a se desentender com você e comece a brigar com você mesmo, te dando socos, se enforcando e se batendo pelas paredes. Perca a luta, fique revoltado e comece brigar com seu amigo imaginário.

4# Suicídio

 Uma das maravilhas da psicologia, dos profissionais do ramo e das clínicas psiquiátricas, é o objetivo em que elas se empenha, que é tentar ao máximo o paciente a ajudar a combater a depressão e, consequentemente, tentativas de suicídio, para que sigam suas vidas e voltem a ser felizes e motivadas nos seus objetivos pessoais.

 O que fazer: Após ter revelado, como posto em prática o que fazer no item 2, naturalmente você dirá que tentou se suicidar. Das mais insanas formas possíveis. Diga que tentou se suicidar com uma flechada no olho, mas não conseguia apontar o arco-e-flecha pra si mesmo. Tentou usar um bumerangue, mas ele foi longe demais e acabou entrando e quebrando a janela do vizinho. Ou que tentou se afogou em um copo de plástico cheio de água. A sua criatividade é essencial.

5# Esquizofrenia

 Essa é o item mais essencial de todos e que não pode deixar de lado. Se após ter colocado em prática os quatro itens anteriores e fazer o psicólogo pensar que você é um potencial sociopata serial killer satânico, neste ele terá certeza. Esquizofrenia pode ser usada para um monte de propósitos. Aqui ela não será usada somente para te aparentar ser um doente, mas sim como um sujeito demoníaco possuído por forças do submundo serviçais da obscuridade do inferno e dos planos maléficos de lúcifre. E que ouve vozes.

 O que fazer: Você pode ter vários artifícios e referências para usar aqui. Cabe tudo á você. No entanto, ocasionalmente interrompa o psicólogo por várias consultas e repita esse diálogo várias vezes: ""Ei, está ouvindo isso ?" "Isso o quê ?" "Nada não, já passou..."". Ou de 10 em 10 minutos grite no chão falando "as vozes de novo" com as mãos no ouvido, fingindo estar em um mundo infernal paralelo, como em Silent Hill.

 Pergunte "Você sentiu isso?" com frequência e depois se agache para baixo ou atrás de algum lugar seguro, pergunte se a porta está trancada, pois 'ele' está perto. Se o psicólogo perguntar quem é ele, responda "Aquele que nos torturará nas chamas". Ou que é o Slenderman. Eventualmente, fale que Deus não existe, finja uma breve possessão demoníaca, e no final, troque de personalidade, xingue o psicólogo novamente dizendo que foi seu amigo imaginário e que tentará se suicidar novamente assim que voltar pra casa, e que nunca mais voltará ali pois a clínica está cheia de almas perturbadas e que o estabelecimento precisa ser queimado.

 Ao voltar pra casa depois do psicólogo, você ainda pode dizer a sua família que eles são os responsáveis por todos os seus problemas e que devem ser eliminados. Mentira, não faça isso. E nem nada do que eu escrevi nesse post.


 Esse texto foi feito com a colaboração dos tetudos do VT do Uol Jogos.