28/12/2012

Um dia de cair o cu da bunda


 Encontrei um velho amigo hoje na rua, que há muito tempo não conversava. Rafael. Não o via há uns 2 meses, desde que eu e ele, junto com mais uns amigos, fomos até a casa de um camarada nosso assar umas pizzas, beber, jogar Playstation 3 e se divertir.

 Perguntei o porquê dele não ter dado nenhum sinal de vida desde aquele dia.

 Rafael respondeu que saiu do hospital há umas semanas atrás, por ter sofrido um prolapso retal. Ou seja, não querendo ser rude, mas ele cagou o cu. Tipo assim, literalmente. O intestino dele foi expurgado pra fora. Nem queira imaginar a cena. Provavelmente por causa da frase anterior você deve estar imaginando. Não foi minha intenção.

 Ele disse que aconteceu isso depois que foi pra casa no dia do rolê da pizza. Todos passaram mal naquela noite, exceto eu. Isso que fizemos uma pizza enorme, super calórica, pra ter um AVC. Porém, pro meu azar, nos meus pedaços de pizza tinham alguns fiapos estranhos de frango que enroscavam na minha garganta, como se estivessem crus. Era horrível.

 O fato é que esse incidente do prolapso trouxe sérias consequências pra Rafael. Seu intestino teve que ser recolocado pra dentro por meio de cirurgia, sem contar as sequelas psicológicas, a humilhação. Disse ele que não consegue cagar sem ficar aterrorizado pensando que o cu vai soltar de novo. Qualquer peidinho ele já se desespera. "É de cair o cu da bunda mesmo", brinquei, sem conseguir segurar a risada. Agora já não tenho certeza se ele achou muito engraçado. Ele afirma que fica pressionando-o constantemente. Sabe... pra mantê-lo BEM FECHADO, evitando qualquer risco de escapar novamente. Ele está paranoico em perder o rabo pela segunda vez.

 Eu disse que tinha que ir andando, e que mais tarde conversava com ele pelo Facebook. Nos despedimos. Em tom de brincadeira, falei, já seguindo meu rumo: "vê se coloca uma coleira nesse seu toba pra ele não escapar de novo! Coloca um cadeado nesse cu aí!". Me virei pra minha direção, rindo. Agora já não tenho certeza se ele achou engraçado.

 Mais tarde, de volta pra casa, entrei no Facebook e lá estava ele no chat. Começamos a bater papo, e a relembrar de nossos rolês. Rimos bastante, a conversa foi bem fluente e descontraída. Rafael então decide confessar algo que ele fez naquele dia da pizza. Aqueles fiapos de frango que enroscavam na minha guela não estavam crus, e nem eram fiapos de frango. Eram pubianos dele. Ele foi no banheiro, cortou e, sutilmente, colocou os pelinhos escrotais dele na porra dos meus pedaços de pizza. Enquanto ele ria, eu me enfurecia, o ofendendo até o fim do universo. Inventei tantos xingamentos que eu devia ir pro Guinness Book. No final, nós dois rimos bastante. Eu ainda estava puto, mas no fundo eu ria.

 Aproveitando a situação, com os risos, a descontração e a confissão de Rafael, decidi por as cartas na mesa e falar. Falar que eu era o único a não ter passado mal naquele dia da pizza porque eu fui quem botou purgante na pizza e na bebida de todo mundo. Foi por isso que todo mundo passou mal, exceto eu. "Você evacuou o cu porque na sua bebida eu coloquei o dobro de laxante", eu disse, rindo alto enquanto teclava.

 Após isso, ele ficou quieto. De repente, me veio a mensagem: "SEU FILHO DA PUTA, VAI TOMA NO CU". E imediatamente em seguida: "Rafael não está no bate-papo...". Fui visitar o perfil dele. "Página não encontrada". O perfil não existia mais. Fui bloqueado. Agora não tenho certeza se ele achou aquilo muito engraçado. E nem se ainda sou amigo dele.