11/08/2012

Diário de um misantropo em ascensão

5 de fevereiro

 Estou ansioso para amanhã! Começarão as aulas do último ano do ensino médio. Fiquei trancado em casa três meses seguidos, sem sair pra rua, sem me divertir e socializar. Parei de frequentar o psiquiatra, estou pronto pra recomeçar, tomando meus remédios. Estou animado pra conhecer amigos novos e reencontrar os antigos! Conversar, rir, zuar e aproveitar a vida, porque ela é curta!

6 de fevereiro

 Estou muito feliz em voltar a estudar e, principalmente, em ter conhecido muitas pessoas bacanas! Não entendo como eu podia ser anti-social. Bater um longo papo e iniciar novas amizades é maravilhoso. E além disso, vi uma garota linda da minha sala chamada Patrícia. Que formosura! Preciso falar com ela. Tinha me esquecido de como era bom ter uma VIDA quando ficava trancado em meu quarto durante todo aquele tempo.

2 de março

 
Me convidaram pra ir pra uma festa depois da aula. Fiquei meio receoso, mas fui mesmo assim. Apesar da galera fazer piadas muito idiotas o tempo todo. Prefiro não dar exemplos, porque elas são meio estúpidas. São bons amigos, mas o humor predominante deles me faz ficar cada vez mais ficar com predisposição pra câncer retal.

13 de março

 Falei com a Patrícia pela primeira vez. A terapia funcionou pelo jeito, e os remédios estão ajudando muito. Gostei dela, e aparentemente ela também gostou de mim. Já peguei o número de celular dela. Foi tão espontâneo, nem acredito que consegui.

27 de março

 Mal começaram as aulas e já to ficando meio cansado. Meus colegas tão me enchendo o saco já. Eles me divertem, mas falam MUITA merda, e gostam de me zuar sempre. A última vez encheram minha mochila de lixos que encontraram por aí e jogaram na lixeira do colégio. Que bosta, puta que pariu! Conversei com a Patrícia de novo, acho que estou apaixonado por ela. Que garota perfeita! Vou tentar fortalecer meu xaveco nela e chamá-la pra sair. Não entendo como existem assexuados "por opção" nesse mundo.

16 de abril

 Criei coragem e procurei a Patrícia pra chamá-la pra sair comigo, mas acho que ela está me evitando. Sinto que ela também gosta de mim. Sempre com indireta falando que eu sou o marido dela, que sou tudo pra ela. Estou no caminho certo. Acho que vou me declarar pra ela.

24 de maio

 Estou ficando de saco cheio daquele bando de filho da puta da minha escola. Pegaram a minha mochila e pintaram ela toda de corretivo por dentro, só porque apostamos uma partida de futebol, e o time que perdesse pagava lanche pro outro; e eu não tinha como fazer isso porque não tinha dinheiro. Tomar no meu caralho! E meus remédios acabaram. Que cu! Amanhã espero ficar normal.

8 de junho

 Se eu tivesse uma bola de cristal, veria facilmente toda aquela cambada de imbecis retardados do meu colégio varrendo os lixos das ruas com um uniforme laranja. Só falam merda, fazem piadas toscas, falam de assuntos triviais e bobocas o tempo inteiro, todos os dias. Só há atrasados mentais que mereciam ser decapitados com canivetes lá. Meus remédios acabaram novamente. Meus amigos também estão me dando os nervos. Suas piadinhas mentalmente débeis estão me enlouquecendo. E suas brincadeiras já estão me deixando paranoico.

13 de junho

 Oficialmente odeio todos daquele colégio. "Acéfalos", é como eu os chamo. Estou apaixonado pela Patrícia. Ela é a única razão pela qual eu ainda vou pra escola, além de claro, escolher os alvos pra minha futura chacina que desejo realizar naquele centro de mentalmente incapacitados. Quero me declarar pra ela, só não sei como. Sei que ela me ama também, ela sempre me trata como um irmão e sempre dou conselhos pra ela.

25 de junho

 
Última semana de aula antes das férias. E está sendo, de longe, a pior. Isso que hoje é só Segunda. Estou muito puto em ter conhecido aquele amontoado de desperdício de massa atômica, também denominados como "estudantes". Agora eu entendo porque era anti-social. Meus remédios acabaram no Sábado e não comprei mais até agora. Vou matar algum filho da puta daqui há pouco. Estou vendo preços de armas e pacotes de munição pela internet. Vou me declarar pra Patrícia amanhã.

26 de junho

 Na hora do intervalo, puxei a Patrícia pra um canto reservado e contei tudo o que sentia por ela. Descrevi do fundo do limbo todas as minhas emoções e sentimentos fortes que tinha cada vez que olhava, ouvia e pensava nela. Ela ficou emocionada, mas no final disse que só me via como amigo! "Amigo"! Puta que pariu, vai pro cacete! Ela era a minha única razão pra evitar assassinar as pessoas daquela escola. Agora não é mais. Me usou, me fez dela seu terapeuta particular, me deixou na zona da amizade. Vadia! Porra, é assim que termina? Continuo só amiguinho dela? Vou esquecer essa desgraçada.

29 de junho
 

 Estou ansioso pra amanhã. Primeiro dia de férias! Odeio todo mundo, essa raça de imbecis subdesenvolvidos e intelectualmente desprovidos. Só queria que a vida fosse bem curta pra eu não ter que aturar essa gente estúpida. Foda-se o psiquiatra, foda-se a Patrícia, foda-se os remédios. Fodam-se todos. Vão tomar no cu. Ficarei em casa as férias inteiras, trancado no meu quarto até morrer sufocado com meus próprios peidos. Detestar, odiar, matar e acabar com a vida, - minha e alheia - porque ela é uma bosta!