02/04/2011

Paixão

 Paixão, a necessidade do palpitar do coração
 O olhar da ruiva que se aproxima no calçadão
 Ela olha pra você, você olha para baixo
 Se depara que seu amigo não está mais cabisbaixo

 Está feliz e apaixonado de repente
 Rígido e venenoso como uma serpente
 Mas esse não é o seu coração
 É o seu membro, apenas tendo uma reação

 Com coragem, aproxima-se dela para lhe falar
 Se depara com o brilho de seu olhar
 Declara a sua paixão
 E não correspondido, é destinado á depressão.

 Pouco depois, aquela morena caminha suavemente
 Você se declara, e sente uma dor
 Não é amor não-correspondido, nem a quebra de uma paixonite
 É apenas uma apendicite.

 Uma nova paixão. Você se abre para seu amigo Vicente
 Não com segundas intenções, apenas para falar o que sente.
 Ele espalha para todos o seu amor, a sua luta
 E você só pensa em socar o filho da puta

 Sua nova paixão pela morena está revelada
 Sua única opção é falar com ela de forma nivelada
 Lhe abre seu coração, fala com rapidez
 E toma no cu mais uma vez

 Uma verdade de agora e de outrora.
 Concluo esse poema com uma moral
 Não importa o quanto você ame
 Você sempre se fode no final