17/05/2016

6 horas

 Saí do consultório petrificado. O médico apertou levemente meu ombro, desviou o olhar para baixo, inspirou e sentenciou minha sina. Estremeci. Comecei a ver a sombra. Voltei pra casa carregando o fardo de mil pensamentos simultâneos.

 Você já sentiu a senciência da morte? A lucidez de saber o cessar de suas atividades biológicas? Não falo de ser vítima de um assalto a mão armada, de saber que você pode morrer ao vacilo de qualquer movimento brusco. É saber que tudo a sua volta não mais será alvo de seus olhos. De que tudo irá embora.

 Voltei pra casa com sete dias restantes de vida. No primeiro dia, eu não pude pensar, não consegui falar. Meu médico ainda me ligaria no decorrer da semana. Disse-me que poderiam haver novidades em meus exames. Minhas emoções foram vazias, imersas em um puro fluído de reflexões sem objetivos que minha mente criou. Minha esposa dirigiu e chegamos em total silêncio e desolação.

 144 horas me restando de vida, acordei com a certeza de que eu não verei a próxima fase lunar, em breve eu não acordarei mais após um breve sono. O mês de Outubro será desconhecido, o planeta rotacionará sobre si sem a minha existência sobre sua superfície e as estrelas brilharão no céu mesmo em minha ausência.

 Ao saber que encontrava-me respirando no dia seguinte, tentava ainda tirar uma conclusão, chegar a um racional consenso, mas o que podia pensar? Minha morte me fora anunciada e eu ainda havia tanto o que fazer. Eu não sabia o que fazer, e não sabia o que saber. Olhei pela janela da minha residência onde moro, ao sul da região metropolitana. Os orvalhos se extinguirão para mim, pois nunca mais os verei, e soube que eu irei morrer. Eu olhei os quatro cantos da visão periférica e soube da fragilidade da existência, da minúscula significância do impacto de minha morte. Eu soube, assim como sei o meu nome, a minha jornada até aqui, a minha vida. Em breve não saberei mais. Tudo esvaecerá, em aproximadas 115 horas que ainda havia por viver.

 "Então eu tenho 115 horas. O que eu posso fazer?"

 Levantei-me depois, com surpreendente otimismo. Tomei meus remédios; meu médico ainda não ligara. A apreensão, contudo, estava inexistente. Eu não queria ficar inerte. Bebi um do meus últimos goles de água. Senti-me enjoado; eu estava com fome, porém sem apetite. Beijei minha esposa com a paixão fértil de um adolescente saudável. Ela me olhou com a dor de mil cátaros sendo apunhalados por inquisidores. Ela sente a agonia de carregar consigo o fardo premeditado da perda e da morte que a mim ei de ocorrer. Vê-la em seu interior, com seu sorriso pueril, porém sofrido, foi sentir o gosto do beijo da sombra que se aproximava de mim. Olha-la em seus olhos foi sofrer a perda não só dela, mas a de mim mesmo, de dizer adeus ao meu corpo, às minhas moléculas, ao caminho que percorremos juntos, tudo o que define o meu ser, minha individualidade, nossa vida e nosso matrimônio. Não consigo recordar de nenhum momento tão doloroso quanto esse, e foi com esse pesar do tamanho de montanhas que a abracei e permanecemos entrelaçados, silenciosos, ouvindo nosso batimentos cardíacos, por uma duração de tempo que me é impossível de mensurar.

 Por mim o anjo da morte poderia ter me levado naquele abraço acolhedor. As horas de vida restantes que meu médico proclamara seriam-me dispensáveis naquele ponto.

 Decidi antes do começo da tarde, sem nenhum propósito aparente, ir sozinho até o parque observar o lago e as gaivotas por uma última vez  Sentia-me ligeiramente débil, com uma crise de tosse insistente, contudo não contive-me. Eu senti os galhos e as folhas. Eu comprei meu último picolé. Não consegui saboreá-lo com vigor, infelizmente. Meu paladar estava fraco e minha arca dentária sensível.

 Não permaneci muito tempo lá no parque, no meu atual estado de saúde. Retornei para casa, admirei em esplendor a refração da luz solar por sobre o céu do globo terrestre, com suas camadas geomagnéticas e atmosféricas. Eu agradeci aos meus ancestrais sobreviventes de predadores naturais e aos meus antepassados que não foram extintos pela Peste Negra. Eu pude viver minha vida de forma esplendorosa graças aos descobridores do fogo e da penicilina. Eu senti a sombra, ainda distante, acenar para mim, sem pressa para chegar perto. Senti os esforços de meu organismo debilitado à caminho de casa, encontrando-me espiritualmente em paz. Meu tempo, no entanto, está no fim. Definitivamente.

 Meu médico não havia ligado ainda. Ele havia prometido... mas deve estar ocupado. Será que haviam encontrado algo em meus exames? E se...

 Sentei-me por algumas horas em minha cadeira reclinável, toquei meu clarinete empoeirado em tons soturnos e melódicos, e voltei a olhar por sobre a janela de meu quarto, com cerca de 106 em crédito de horas como ser vivo consciente.

 Fitei a curvatura da Terra. Observei as luzes que desvaeceram ao crepúsculo no pôr do Sol, e que trarão consigo o ceifador, que se esgueira pelas sombras, e essa sombra avança a cada minuto, assim como o dia dá lugar à noite. Exceto que a noite irá durar para sempre. Eu sinto essa sombra. A cada segundo, milimetricamente aproximando-se.

 Não lembro que horas dormi. Acordei no dia seguinte, para minha surpresa. Eu liguei para meus familiares, estes sem saber do meu breve período restante no cronômetro da existência física. Eu ri com a minha mãe, mesmo estando longe. Eu falei com meu pai, sem a coragem de me despedir, e sem a coragem de dizer o quanto ele fora meu herói. Eu senti seus contentamentos em receber uma ligação descompromissada do filho distante. Eu dizia adeus e chorava por dentro, e por fora eu apenas me comportava como se fosse passar o próximo Natal com eles. Tudo está indo embora, prestes a não mais existir por toda a eternidade. Os medicamentos me ajudam, e a sombra ainda parecia apenas um ponto ignóbil, mas na verdade ela esta mais próxima. A noite está chegando.

 Gargalhei pelos motivos mais estapafúrdios, das piadas mais grotescas e realizei as tarefas mais triviais para alguém que nunca mais irá testemunhar as belezas e misérias do mundo. Eu gostaria de ter rido mais, de ter chorado com mais frequência, sem medo. Senti meu sistema querendo encerrar suas atividades, apagar todas as minhas luzes e me hibernar-me para o resto da existência do tempo.

 Eu abracei novamente a minha esposa, sabendo que nunca mais sentirei em muito breve seu corpo novamente, ela nunca mais será por mim entrelaçada novamente. Eu poderia ter feito mais por ela? Eu poderia ter dito que a amava mais vezes. E por que não me criou a coragem logo sabendo do meu perecimento em tão pouco tempo? Meus diálogos acabarão, as cortinas encerrarão a minha peça. E não haverá reapresentação no próximo Natal. E eu a amara sem a menor hesitação, durante todo o tempo que passamos juntos. E eu sei que ela sempre soube disso.

 Abracei meu labrador de estimação, entregando-me aos prantos. Eu não conseguia parar diante da inevitável perda mútua, tanto minha quanto dele. Eu poderia tê-lo abraçado mais, e em breve nunca mais o farei. Ele sentirá minha falta? Ele não terá consciência da minha despedida eterna, em suas naturezas tão alheias à morte. Eu com certeza sentirei saudades dele. Eu sinto a sombra dando alguns passo em minha direção, taciturnamente por entre os pilares da fábrica da existência, prestes a agarrar os véus da negritude e me enrolar com eles.

 Eu adoraria ter ligado para amigos, tê-los em meus braços, beber uma última cerveja com eles. Foram todos embora, no entanto. As amizades foram sendo varridas como pó. Não tenho um velho companheiro para me despedir. Eu poderia ter cultivado mais amizades.

 Encontrei-me ainda vivo no quinto dia, com até talvez um cômico espanto. Agora sobram-me apenas dois dígitos de horas restantes.

 A morte pareceu uma ideia banal. Algo abstrato, que não irá acontecer. É como se eu quisesse que a sombra viesse logo. E ela estava mais perto, sim estava. Começava a sorrir timidamente para mim. O Sol já estava na linha do horizonte e a sombra trazia consigo as flâmulas negras ao meu encalço, e a cegueira havia por me atingir. Senti-me conectado ao mundo, porém fisicamente débil, prestes a ser abraço pelo mar da penumbra.

 Poderia ter dito que não morrerei. Eu poderia ter me convencido de uma mentira para me sentir melhor. E de fato tentei. Poderia ter pedido exames mais completos. Meu médico combinou-me de me ligar, e ainda nada. Ainda faltava um exame a ser analisado mais cautelosamente. Pensei no que ele havia dito de que "poderiam haver novidades". Isso me causava mistos e confusos pensamentos... Acredite, no entanto, que a constatação é definitiva. Meu estilo de vida, o meu corpo decadente, e a sombra que se aproxima furtivamente; corroboram a sentença oficial do médico sobre minha condenação.

 As menos de 100 horas me começaram a dar medo. Meu médico ainda não havia ligado. Eu acho que ligarei para ele.

 Subitamente vi-me revendo o filme de toda a minha vida, e devaneei de mãos dadas com as minhas memórias. Empregos passados, brigas e romances, risadas e revoltas, experiências e conhecimentos, possessões materiais e intangíveis. Pensei no que me restou a fazer, dos arrependimentos e dos planejamentos pendentes nunca até então concretizados. Serei eu buscado por um anjo? Irei para o inframundo de Xibalbá, para o céu celestial cristão, para o submundo de Niflheim, para o reinado de Hades no mundo inferior ou o de Osíris? Quem iria me buscar? Dormirei sem ir para lugar algum, no leito negro da inexistência eterna? Esses devaneios cansaram-me a mente.

 Débil e de uma imensurável tristeza apossando-se de mim, acordei de um longo repouso com menos de 70 horas de bagagem. Um desânimo total dominou minhas faculdades emocionais e toda a minha mente entregou-se ao abraço da sombra, que conforme eu percebia, arrastava consigo as trevas mais um pouco perto ao meu redor. Pensei em meus pais, e o quanto poderia tê-los apreciado com mais frequência, expressado meus carinhos para com eles. Como eles irão receber a notícia de meu falecimento?

 Fagueira, eu vejo a escuridão da sombra permear a superfície do meu perímetro ocular. Minha voz enfraqueceu, meus remédios pararam de fazer o efeito desejado de outrora. Minha fragilizada saúde começou a deteriorar-se e passei a dormir mais. Minha memória falha com frequência. Sou como um espelho rachado, prestes a se partir. É pesaroso para meus finais momentos ser um peso a mais para minha amada esposa, a quem desejo toda a felicidade em minha postmortem. Eu preciso dizer o quanto a amo e a amei antes de ir.

 Estou fraco e contabilizo cerca de 43 horas restantes no meu bolso. O jogo está acabando? Não sei o número do doutor.

 Tentei auto-remediar-me com efeitos placebos apenas com o emprego de táticas psicológicas, mas meu corpo já não resiste muito. Incrível como essa fraqueza geral veio tão de súbito, como uma gripe. Minha voz está fraca e escrevo isso com o esforço máximo que me compete aplicado nas mãos.

 Eu sorrio para o meu cachorro, em sua sã alegria ao me acalentar com sua presença. Sua cauda perde-se na sombra que sutilmente esgueira-se ao redor de mim, no meu leito de morte, nessa cama moribunda que deito em minha casa. Minhas pílulas parecem homeopatia, meu organismo não sente nenhum efeito. Minha tosse está piorando.

 Um certo desespero acometeu-me ao deparar em acordar numa Sexta-Feira. Há uma semana o doutor sentenciou-me 7 dias de vida. Meu coração bate freneticamente como a de um garoto atlético, e meu peito inteiro dói. Eu não consigo respirar. Minha mulher me trouxe mais remédios e não conseguiu ligar para o médico. Tentei levantar-me e minha fadiga foi tão rapidamente exaurida que mal tive tempo de sair de meu quarto. A sombra já cobre-me a visão da porta, e a permeia as extremidades de todo o cômodo com a sua ausência de luz completa.

 Restou-me passar o dia inteiro deitado, o que eu detesto. Morrer de inanição? Droga, eu poderia estar morrendo pulando de paraquedas pelo o menos...

 Não sinto vontade de ir ao banheiro, de comer, apenas bebi meus remédios, escrevi e vegetei, como se ensaiasse para o que faria para sempre, até que o último átomo de meu corpo fosse decomposto. Eu sou um homem que aceita seu destino. Meu médico estaria errado se eu morrer agora. Ainda tenho 9 horas de vida. A sombra, antes tímida e sutil, agora abre suas asas e estende seus braços. Seu sorriso é obscuro, sua aura suga-me. Eu a consigo ver, e ela também. Sua natureza amistosa me compele a aceitar seu aceno com serenidade.

 Minha mulher saiu há algumas horas para cuidar de alguns documentos meus na agência bancária. Acredito que passará no mercado depois.

 Me restam, eu diria, cerca de 6 horas de vida. Meu cachorro dorme deitado no chão ao lado de minha cama. O médico não me retornou, e eu não consigo reunir forças para procurar onde minha mulher tem seu número anotado para ligar-lhe. Eu me sinto na ferroviária, recebendo o anúncio antecipado de minha hora de partida antes do trem chegar à plataforma. Eu sei que este trem contêm o meu assento reservado nele. Eu já me sinto sentado, viajando neste trem, que desliza pelos trilhos em câmera lenta, prestes a se chocar na parede escura no final de um túnel sem iluminação. E o trem adentra essa parede negra, silenciosamente, como se ela fosse um portal, e tudo fica completamente escuro e quieto. Para sempre.

 Eu ouço o telefone tocar na sala de estar. Não há ninguém em casa, eu continuo deitado, me sinto tão mais franzino para levantar-me e atender à ligação. Acredito que já escrevi mais do que o suficiente, embora não sei o motivo de esta-lo fazendo. A sombra me acena mais de perto, sua nitidez está espantosamente maior. Eu posso encará-la nos olhos e cumprimentar-lhe.

 Eu ouço o telefone tocar mais uma vez. Pode ser meu médico. Será que ele tem notícias a respeito do exame que faltava? Depois eu peço para minha esposa lhe retornar. Eu adoraria dar-lhe um último beijo e falar o quanto a amo, eu não hesitaria mais nem um segundo. Eu adoraria ligar para o meu pai e declarar-lhe, com toda a coragem que emerge e mim, a minha admiração à ele, e chorar de felicidade sem motivos, pois muitas lágrimas de dor já me acometeram nessa última semana. Adoraria levantar-me sem dor, de sair correndo pela calçada. Daria tudo para poder genuinamente criar novas amizades e laços duradouros, mergulhar em águas cristalinas oceânicas, e contemplar os últimos momentos sorrindo. "Morra grande", eles dizem. Me sinto, no entanto, muito fraco e sonolento novamente. Preciso do descanso na sombra que meus olhos buscam ao se fecharem. O telefone toca novamente... Melhor eu descansar um pouco.