12/06/2011

Cuide de sua vida!

 As pessoas se recusam á estar erradas. Se recusam! Elas são orgulhosas, egocêntricas e arrogantes demais para admitir isso. E nunca vão deixar que você as prove isso. Portanto, é fácil para elas se sentirem na liberdade e no direito para julgar as demais pelos seus pensamentos e suas atitudes. É fácil para elas as taxá-las de adjetivos que as convenham de acordo com o que pensamos, sem se prestarem á pensar e tentar compreender a lógica da pessoa.

 É fácil fazer isso. Mas é difícil lidar com os que fazem isso conosco. Ao mesmo tempo que todos exigem que sejam compreendidos pela sociedade; que por mais que tentem expressar o que pensam achando-se no direito de estar certas, apontam o dedo na cara das pessoas e dizem: "Você tá errado, você é um filho da puta!". E quando não fazem isso, o fazem de um jeito pior: fofocas. Se reúnem para avaliar o seu comportamento. E isso pode durar semanas. Até meses, de acordo com o nível de futilidade da pessoa. Uma vida não é suficiente. Vinte e quatro horas por dia não são suficientes para essas pessoas cuidarem de suas próprias vidas. Elas compram um pacote de vidas extras. E se alegram quando o BBB volta, para ter muitas vidas extras disponíveis prontas para essa pessoa cuidar e alimentar com muito carinho.

 Julgar, taxar, adjetivar e avaliar o comportamento, atitudes e forma de pensamento de determinada pessoa. É óbvio que há pessoas que possuem a moral para tal feito, como seus pais ou seus amigos mais próximos, que podem lhe dar conselhos, lhe ajudar, lhe dar um toque para você reavaliar as suas atitudes. Todavia essas pessoas que mal te conhecem, que por algum motivo, se intitulam o todo-poderoso senhor morador das nuvens, e se acham no direito de cometer tais atos citados acima, que não têm moral e intimidade nenhuma para argumentar seu comportamento, merecem uma boa dose de pirocadas rígidas. E ainda existem tipos de pessoas piores do que essas nessa questão: as que querem ser sinceras demais.

 Pessoas que querem ser sinceras em demasia conseguem ser mais falsas do que as que julgam e criticam determinada pessoa pelas costas. Gostam de falar na cara, de confrontar, não tem escrúpulos em falar o que pensam, são agressivas, apontam o dedo sem piedade. Isso pode até ter seu ponto positivo. Mas não aceitam, de nenhuma forma, que façam o mesmo com ela. Leva a ideologia de ser sincero com as pessoas e com os amigos. Mas se os amigos são francos em demasia, e falam tudo o que pensam em sua face assim como ela a faz com os demais; essas pessoas não aceitam, se magoam, se ofendem com a verdade, rompem a amizade.

 Há diferenças entre ser criticado e ser julgado. É importante que você aceite isso das pessoas certas, assim como não dar importância para as que não possuem nenhum fundamento - das críticas, não das pessoas. Há diferenças entre criticar alguém, julgar alguém, seja falando isso diretamente à ela, ou comentando em sua ausência. Não por falsidade. Mas você não quer magoar a pessoa. Ou por motivos variados. Em conversas paralelas sobre pessoas paralelas que eu estou supostamente incluído - em que pessoas cuidam da vida alheia - eu só consigo pensar comigo mesmo: "Ainda bem que eu não me importo com o que a pessoa pensa ou faz". Não por egocentrismo, mas por puro desinteresse por determinada pessoa que eu não me importo pensa, diz ou faz. Existe uma linha tênue entre se importar apenas consigo e se importar demais com a vida alheia. Talvez as pessoas deveriam usar mais a linha de "se importar mais consigo". Não sei, só uma sugestão.

 Portanto, eu sigo uma filosofia simples de vida: "Cada um cuida da porra da sua vida!" Uma frase simples e complexa ao mesmo tempo. Interprete-a como quiser.