15/05/2011

Bate-Papo

 Bate-Papos. Sempre tão presentes desde o início da internet. Em especial á quem começou á usar a internet em meados de 2004/2005, em que o bate-papos eram muito mais ativos e visitados por pedófilos aposentados.

 Por exemplo, o bate-papo da UOL. Pelo o menos uma vez você entrou lá com o nick "Juliana sapequinha cheia de tesão". Não por pedofilia, apenas pra enganar e zomba de algum fapador crônico no seu auge da puberdade.

 "oi gata q tc?"

 Lembro-me da vez em que eu entrei com um nick parecido no bate-papo UOL; fingindo ser uma garota. A ingenuidade do muleque que veio conversar comigo foi tamanha que ao eu me revelar homem, lembro claramente letra por letra de seu espanto: "você é guei?!"

 Incrivelmente, me bateu a curiosidade de conferir se o Bate Papo UOL. Ainda existe. Não entrei por medo de encontrar o que poderia haver lá. Até porque ninguém mais usa bate-papo da UOL hoje em dia, á não ser a população do Amapá.


 Um bate-papo mais recente: Chatroulette.

 Chatroulette é basicamente um bate-papo em que você conversa com pessoas aleatórias via texto e webcam. Uma ferramenta pra conhecer novas pessoas, segundo o próprio slogan. Seria legal, se você não fosse apresentado ao pênis dessas novas pessoas.

 Chatroulette é constituído basicamente de homens que querem mostrar o pinto na webcam para pessoas aleatórias ao redor do mundo.

 Mas essa ferramente pelo o menos proporciona alguns flagras cômicos:


 E para afugentar-se de genitálias masculinas aleatórias balançando em frente á webcam, há os  CHATS de MSN. Onde todos se dedicam á ofensas, desenhar peitos e mandar sons do MSN Plus. Não há nada mais do que falar. Chat de MSN não é aconselhável para ninguém.

 Mas nada pior mesmo do que bate-papo por telefone. Eu realmente tenho dó de quem usa isso. Bate-papo por telefone, o recanto de pessoas depressivas. No comercial "venha fazer novos amigos!". Bacana. Pensando bem eu não tenho amigos. Vou fazer novas amizades. Por telefone. Afinal não vou ver pinto de ninguém. Volto pra contar minhas experiências.